Histerossalpingografia

23.11.2020
Categoria:
Histerossalpingografia
Conteúdo:

A histerossalpingografia (HSG) é uma técnica de diagnóstico da estrutura anatômica da cavidade interna do útero e das trompas falópicas. Usando um fluido radiopaco, o médico verifica a integridade, permeabilidade e condição do útero e das trompas.

Existem 2 tipos de procedimento, eles dependem do método de imagem. O primeiro é com raios X, o segundo é com uma máquina de ultrassom.
A HSG é usada para complementar as análises anteriores e confirmar o diagnóstico primário. A confiabilidade da manipulação é de cerca de 85%. Na maioria das vezes, é prescrito para mulheres com histórico de abortos espontâneos frequentes, gravidez ectópica e grandes processos inflamatórios dos órgãos genitais. Para o procedimento, uma mulher deve vir ao hospital. Afinal, a HSG é feita em consultório especial sob supervisão de uma equipe médica.

Indicações

Essa manipulação é realizada para visualizar a estrutura anatômica do útero e das trompas.

Portanto, as indicações para condução são as seguintes:

  • obstrução e outros danos às trompas de falópio (aderências, oclusão, atresia, fístulas);
  • estrutura anormal do útero (dois chifres, útero em sela, hipoplasia uterina, septo na cavidade uterina, aderências);
  • miomas e pólipos e outras neoplasias do útero;
  • corpos estranhos do útero, trauma, tubos rompidos;
  • endometriose, tuberculose, hiperplasia endometrial e outras doenças do útero e das trompas;
  • subdesenvolvimento ou estrutura anormal das trompas de Falópio;

Mas há casos individuais em que o ginecologista considera necessário fazer um diagnóstico.

Contra-indicações

Como qualquer procedimento médico, a histerossalpingografia tem suas próprias contra-indicações:

  • gravidez em qualquer momento ou mesmo suspeita;
  • alergia a agentes de contraste de raio X;
  • período agudo de doença inflamatória da vagina, útero, trompas ou ovários;
  • sangramento uterino anormal;
  • insuficiência renal / hepática / cardíaca na fase aguda;
  • doenças infecciosas (Constipação, amigdalite, etc.);
  • hipertireoidismo;
  • processos inflamatórios do sistema urinário;

Metodologia

A histerossalpingografia é realizada em ambiente hospitalar, em posição supina. Normalmente, o procedimento é realizado sem anestesia, mas às vezes sedativos podem ser administrados à paciente para que ela não fique nervosa.

O ginecologista trata os lábios externos, a cavidade vaginal e o colo do útero com um anti-séptico. Em seguida, ele insere um cateter de balão fino através do qual o agente de contraste será administrado. Nesse momento, a mulher pode ouvir uma espécie de desconforto, pois o líquido será bombeado para a cavidade uterina e tubulações. Mas depois de alguns minutos, tudo vai embora.

Para a visualização, por meio de raios-X, o aparelho é instalado sobre a mulher e seus raios são direcionados para a projeção do útero. Se uma máquina de ultrassom for usada, o médico pega uma sonda vaginal, insere-a no meio e exibe a imagem na tela.

A seguir, o médico examina o quadro resultante, analisa-o e dá sua opinião sobre o estado do útero e das trompas.
Após o procedimento, a mulher fica sob a supervisão de um médico por várias horas e, se o quadro não piorar em nada, no mesmo dia ela pode ir para casa.

Recomendações para pacientes

Para melhorar o resultado e reduzir os efeitos colaterais do procedimento, a mulher deve seguir as seguintes dicas:

  • A HSG deve ser realizada nos primeiros dias após o término da menstruação;
  • Antes do procedimento, é necessário passar em exames de sangue, exames de urina, esfregaço na flora da vagina, para excluir a presença de infecção;
  • Recusa de vida íntima três dias antes do procedimento;
  • 7 dias antes da HSG, cancelamento de duchas higiênicas, produtos de higiene íntima e supositórios vaginais;
  • Tomar banho no dia do exame;
  • Após o procedimento, vale a pena usar absorventes.

Resultados

A histerossalpingografia permite diagnosticar a patologia do útero e das trompas de falópio no menor tempo possível por meio de uma imagem, onde é possível avaliar o estado do útero, o tamanho, a localização e a patência das trompas de falópio.

Os resultados vão fornecer ao médico um quadro completo da condição dos órgãos genitais da mulher. Se os indicadores forem normais, então no roentgenogram a cavidade uterina é exibida na forma de um triângulo isósceles com um ápice na parte inferior e uma base de 4-5 cm, e as trompas de falópio são como sombras em fita.
Com inflamação, miomas, pólipos, o ginecologista pode ver o relevo desigual da parede interna do útero. Quando a imagem contém áreas escuras e claras que se alternam, isso pode indicar a presença de aderências no tubo.

Gravidez após a HSG

Se a paciente está em tratamento de infertilidade, que pode ser causada por obstrução das trompas de falópio, então, após a HSG, a probabilidade de concepção aumenta nos primeiros meses após do tratamento. Isso porque os tubos são limpos durante o procedimento: pequenas aderências são removidas, muco e células mortas saem com contraste. Assim, além do diagnóstico, a HSG também tem um aspecto terapêutico.

Você pode estar interessado em:
08.01.2020
Maternidade de substituição no Brasil
Programas de maternidade de substituição (ou seja “barriga de aluguel”) são usados por casais inférteis de todo o mundo. Mas legislações de cada país tem suas próprias nuances sobre este procedimento médico. Por exemplo, em muitos países europeus isso é proibido nas quaisquer condições, e em alguns países é permitido por qualquer valor possível.
LEIA MAIS
08.01.2020
Maternidade substituta na Cingapura
De acordo com a legislação em Cingapura, a maternidade substituta é atualmente ilegal. O Ministério da Saúde emitiu uma directiva que proíbe a sub-rogação, e qualquer centro que fornece serviços de Reprodução Medicamente Assistida, podem suspender a licença ou revogá-la.
LEIA MAIS
24.12.2019
Maternidade de substituição : argumentos pró e contra
A maternidade de substituição é uma das principais descobertas da humanidade. Ao longo da história, a infertilidade tem sido um problema comum em todo o mundo. Cada sexta mulher não pode ter filhos por razões médicas, e não é de surpreender que mais e mais famílias escolham esse tipo de fertilização.
LEIA MAIS