Congelamento de embriões. Vitrificação. Transferência de embriões

08.01.2020
Categoria:
Congelamento de embriões. Vitrificação. Transferência de embriões
Conteúdo:

A criopreservação de embriões é um método seguro de congelamento e armazenamento de embriões em nitrogênio líquido a uma temperatura de -196 °C. O uso de tais temperaturas baixas permite interromper todos os processos químicos nas células por um longo período de tempo. Mais tarde, esses embriões podem ser descongelados com sucesso e transferidos para a mesma paciente se ela não engravidou após um ciclo de FIV ou se quer mais um filho. Em tais casos, não há necessidade de fazer a estimulação ovariana e a punção novamente. Apesar de que o congelamento e o descongelamento posterior diminuem ligeiramente a viabilidade dos embriões, as chances de engravidar ainda são muito altas. Além disso, a criopreservação de um embrião não afeta a saúde da criança futura.

Os especialistas em fertilidade sugerem o uso de criopreservação embrionária:

  • em programas de maternidade de substituição;
  • para obter mais embriões de boa qualidade para as próximas tentativas de FIV;
  • enquanto qualquer estado de doença durante um ciclo de FIV (por exemplo, doenças de vírus, síndrome de hiperestimulação ovariana, cirurgias emergentes, etc.), que pode diminuir significativamente as chances de concepção. Assim, os embriões podem ser transferidos mais tarde.

Como é realizada a criopreservação embrionária?

A criopreservação de embriões é realizada apenas com embriões normais de alta qualidade e nos termos estritamente definidos da gravidez. Os embriões com indicações ruins nunca são congelados, porque causam a degradação — destruição de embriões. O estágio de desenvolvimento é muito importante para a criopreservação de embriões. Os embriões são congelados no estágio do cigoto, 2,4,8 células e do blastocisto.

Desde o início do programa, os embriões são transferidos para um meio crioprotetor com medicamentos especiais que protegem as células das lesões. Estes medicamentos impedem o desenvolvimento de cristais de gelo dentro dos embriões e, ao mesmo tempo, ajudam a preservar o citoplasma das células no estado de «gel» e a renovar as suas funções mais tarde. Em seguida, os embriões são colocados em microcontentores — tubos de plástico (para 4-5 itens) com marcadores individuais, que, por sua vez, são colocados num criobanco e refrigerados.

O congelamento de embriões pode ser lento ou ultrarápido (a vitrificação). Os embriões congelados podem ser armazenados por alguns meses ou até alguns  anos. Ao descongelar, os tubos são retirados do nitrogênio líquido e descongelados pela temperatura ambiente. Os embriões são transferidos de crioprotetores para um meio favorável especial. O tempo de transferência depende do estágio em que os embriões foram congelados. Blastocistos e embriões em fissão devem ser transferidos para o útero da paciente no mesmo dia. Os embriões menos maduros devem, primeiramente, ser examinados e controlados durante alguns dias.

Os embriões criopreservados podem ser transferidos em ciclos naturais e estimulados, bem como em ciclos de terapia de substituição. A escolha de um crioprotocolo depende dos problemas reprodutivas de um casal.

No final do período de criopreservação, cada casal tem que decidir o que fazer com os seus embriões: utilizá-los ou armazená-los mais, usá-los para um ciclo de FIV ou doá-los para um outro casal infértil, transferi-los para uma outra clínica ou permitir o seu uso em pesquisas científicas.

Embriões após a criopreservação e o descongelamento

Nem todos os embriões mantêm suas propriedades após a criopreservação e o descongelamento. A percentagem de «sobrevivência» de embriões é geralmente de 75% a 85%, mas muito depende do profissionalismo dos especialistas em fertilidade de um centro médico. Os embriões podem ser danificados como resultado da criopreservação. Para ser preciso, não durante o mesmo armazenamento, mas enquanto congelados e descongelados. É por isso que pode haver uma necessidade de descongelar vários embriões para obter 2 ou 3 embriões apropriados para serem transferidos para o útero.

Você pode estar interessado em:
08.01.2020
5 mitos sobre a maternidade substituta
A maternidade substituta é um processo complexo e controverso. Este método de tratamento da infertilidade é constantemente cercado por todos os tipos de mitos e declarações ambíguas. Na maioria dos casos, a atitude negativa em relação a esse tipo de parto é devido ao fato de que os opositores da tecnologia simplesmente não entendem completamente a essência do programa.
LEIA MAIS
24.12.2019
Maternidade de substituição : argumentos pró e contra
A maternidade de substituição é uma das principais descobertas da humanidade. Ao longo da história, a infertilidade tem sido um problema comum em todo o mundo. Cada sexta mulher não pode ter filhos por razões médicas, e não é de surpreender que mais e mais famílias escolham esse tipo de fertilização.
LEIA MAIS
08.01.2020
Maternidade de substituição no Brasil
Programas de maternidade de substituição (ou seja “barriga de aluguel”) são usados por casais inférteis de todo o mundo. Mas legislações de cada país tem suas próprias nuances sobre este procedimento médico. Por exemplo, em muitos países europeus isso é proibido nas quaisquer condições, e em alguns países é permitido por qualquer valor possível.
LEIA MAIS