Lena (40) e Miguel (43)

( menina )
Data:
Julho 4, 2019

Eu me tornei mãe apenas aos 40 anos. Há alguns anos, descobri que não posso ter filhos. Casei-me com Miguel aos 26 anos. Este é o meu segundo casamento. Meu primeiro casamento acabou rapidamente, e nem tivemos tempo de discutir a possibilidade de ter filhos.

Por vários anos, vivemos por nós mesmos. Ele estava construindo sua carreira e tornou-se líder de equipe na empresa de TI. Eu estava envolvido em fotografia e me tornei um especialista procurado na minha cidade.

Miguel e eu pagamos um empréstimo para a casa, viajamos muito e conseguimos ficar de pé. No meu aniversário de 32 anos, Miguel disse que queria filhos de mim. Eu disse “sim”.

As crianças faziam parte do nosso plano, mas por algum motivo – de longo prazo. Até equipamos a casa tendo em mente a sala de jogos. Moralmente e financeiramente, estávamos prontos, mas eu não fazia ideia de que, quando decidirmos engravidar, muitos problemas ocorrerão.

Não preparamos muito para a gravidez, nem procuramos o médico de família. Alguns casais levam o planejamento da gravidez muito a sério. As mulheres tomam vitaminas, ácido fólico, os homens seguem uma dieta e assim por diante. Nós não fizemos nada disso. Nem pensávamos que a gravidez não chegasse. Seis meses depois, eu não engravidei, mas ainda não estávamos preocupados. Mais tarde, soube que meio ano de tentativas é muito tempo para casais com mais de 30 anos.

Um ano depois, fomos ver o médico. O espermograma de Miguel era normal. Mas os resultados dos meus testes foram horríveis: AMH, FSH, estradiol – tudo abaixo do normal. O ultrassom mostrou que o número de folículos antrais é catastroficamente pequeno.Diagnóstico – baixa reserva ovariana. Talvez eu nunca seja capaz de dar à luz. Foi um choque. Tive a sensação de estar andando por uma rua ensolarada e de repente caí no esgoto. Tudo ficou escuro, incompreensível, assustador. Não pude aceitar minha condição. Afinal, a gravidez é algo tão simples que é acessível a todas as mulheres.

Era como se eu falhasse em um exame para me tornar uma mulher de verdade.

Cerca de um mês eu estava deprimida.

E então, com a ajuda de Miguel, eu me recompus e decidimos fazer FIV. Passamos por quatro ciclos de FIV – e todos não tiveram sucesso. Havia poucos embriões, menos embriões bons.

Pela primeira vez, tive um aborto espontâneo na 8ª semana, nas seguintes tentativas – os embriões não se apegaram.

Todos esses procedimentos levaram mais três anos.

Por que sou contra a adoção

Miguel sugeriu a adoção de um filho, mas eu era contra. Não sou esnobe, mas queria meu próprio filho do meu marido. Eu tinha medo de não ser uma mãe realmente boa para outro filho. Então surgiu a idéia de maternidade de substituição. Cancelei todas as sessões de fotos e mergulhei na Internet por uma semana. Barriga de aluguel é proibida em nosso país. Entre os países em que é permitido, gostei do Canadá, Cazaquistão e Ucrânia por causa de uma boa base legislativa. Rejeitei a opção do Canadá por causa da distância, o Cazaquistão parecia muito exótico. Gostei da Ucrânia porque na certidão de nascimento da criança os nomes dos pais biológicos são indicados, e a mãe de aluguel, por lei, não tem direitos sobre a criança.

Por que escolhi a Ucrânia e a VittoriaVita

Comparei as agências ucranianas com o preço e a variedade de serviços incluídos nele. No final da semana, fiz uma lista de “finalistas” e contei ao meu marido. A princípio, Miguel ficou chocado com minha ideia, mas me apoiou. Entramos em contato com três agências e, por fim, escolhemos a VittoriaVita. Gostamos do programa “Garantia”, que garantia que teríamos um filho em qualquer circunstância. Este programa estipula que um óvulo doado é usado no ciclo de FIV. Mas nos foi permitido incluir no contrato uma cláusula afirmando que o primeiro ciclo será realizado com meus óvulos. Se não dar certo, usamos doados.

Voamos para a Ucrânia três vezes. Primeiro – encontrar a mãe de aluguel e assinar um contrato. Fomos examinados por um ginecologista, um especialista em fertilidade, um geneticista. Os médicos alertaram que quase não havia chance de conseguir um embrião saudável usando meus óvulos. Fui prescrita com um protocolo de estimulação, vitaminas, dieta e voamos para casa.

Depois de um mês e meio, retornamos à Ucrânia. Comecei a tomar hormônios para estimular os ovários enquanto ainda estava em casa, mas as duas últimas semanas de estimulação tiveram que ser realizadas na Ucrânia, sob a supervisão de médicos, e então os óvulos foram retirados de mim. Dos 7 óvulos, apenas dois embriões foram criados. O PGD mostrou que apenas um é saudável. Era uma menina. Ela foi transferida para a mãe de aluguel.

Voamos de novo, esperamos em casa os resultados da transferência. Esses 10 dias foram os mais longos da minha vida. Miguel sugeriu apenas para selecionar uma doadora de óvulos, mas eu acreditava em nosso filho.

22 de agosto, recebemos uma carta. Gravidez ocorreu.

Chorei de felicidade o dia todo, e Miguel também. Liguei para minha irmã e mãe e disse: “Vocês conseguem acreditar? Tudo deu certo! ”.

Depois, houve as longas semanas de gravidez da nossa mãe de aluguel.

Uma vez por semana, nossa gerente Katia nos enviava um relatório sobre o estado de saúde da mãe de aluguel. Houve resultados de ultrassom com explicações médicas, exames de sangue etc. No início, escrevi para Katia quase todos os dias, perguntando sobre os detalhes dos procedimentos e exames. Acho que a irritei um pouco.

Conversamos com a mãe substituta pelo Skype a cada 2 semanas. Ela é uma mulher maravilhosa. Pacientemente, ela falou sobre sua condição, sobre o que come, que tipo de vida ela leva. No começo, ela sempre era tímida, corando e gaguejando o tempo todo, mas no final da gravidez já estávamos nos comunicando livremente.

Na terceira vez, voamos para a Ucrânia, quando havia uma semana antes do nascimento.

Nesse momento, muitas vezes encontramos a mãe de aluguel e fomos com ela para o ultrassom. O momento mais emocionante aconteceu na 38ª semana de gravidez. Fomos ao CTG para ouvir o coração da filha. O batimento cardíaco era normal, rítmico. Mas quando toquei o estômago da mãe de aluguel com a minha mão, o coração da minha filha começou a bater forte e com bastante força, como se estivesse empolgada comigo. Certa manhã, Katia nos ligou e disse que a mãe de aluguel tinha contrações. Corremos para o hospital. Durante o parto, eu estava na enfermaria com a mãe de aluguel e Miguel viu o bebê após o parto – no departamento de pediatria.

Não vou descrever as emoções que experimentamos naquele dia. As palavras não podem expressá-las. Este sentimento de felicidade abrangente e tranquilidade.

Após a alta, retornamos ao apartamento fornecido pela agência. Já havia um berço e um banho para o bebê. Nos ofereceram serviços de babá. A princípio, recusamos porque pensamos que poderíamos lidar com isso sozinhos. Mas, depois de algumas noites sem dormir, desistimos. Eles nos enviaram uma babá Nina. Ela não apenas ajudou com a criança, mas também cozinhou comida. A propósito, quando voltamos para casa, também decidimos contratar uma babá. Nas entrevistas, subconscientemente procuramos uma mulher semelhante à nossa maravilhosa Nina.

Após o nascimento do bebê, passamos um mês e meio na Ucrânia. Durante esse período, Oleg, advogado da VittoriaVita e Katia ajudaram a preparar documentos para a emissão de um documento de viagem para a criança, a realizar teste de DNA e a preparar outros documentos.

Quando chegou a hora de voar para casa, sentimos alegria. Nossa experiência com a VittoriaVita foi excelente, mas estávamos com muita saudade de casa. Além disso, eu realmente queria mostrar minha filha para nossa família.

Eu colocaria uma nota alta pelo serviço na VittoriaVita. Toda vez que chegávamos, fomos recebidos no aeroporto e levados para o apartamento. O apartamento ficava perto da clínica onde fomos examinados e perto da maternidade. A casa era espaçosa, limpa e confortável. A cada poucos dias, comida fresca era trazida para nós e eles também nos davam cartões de almoço em um restaurante.

Katia, nossa tradutora, estava sempre em contato. Ela traduziu documentos, aconselhou-nos museus e restaurantes e não foi nada além de apoio.

Os médicos da clínica são muito agradáveis. Quase todos falam inglês.

O que eu não gostei

Quero apontar algumas desvantagens. No hospital, poucas pessoas falavam inglês. A vida em Kiev dificilmente pode ser chamada de regulamentada. Há um tráfego intenso, geralmente congestionamentos. Tentamos não ir a lugar nenhum pela manhã e por volta das 18h. Neste momento, todos estão indo para e vindo do trabalho, então os autocarros e o metrô estão cheios. Caixas em lojas, especialmente em pequenas mercearias, raramente falam inglês. Usamos o google translate, mas, é claro, não é super conveniente.

Agora nosso bebê tem 5 meses. Ela é saudável e ganha peso bem.

Eu acho que ela se parece com Miguel, e Miguel diz que o bebê é igual a mim.

Estamos felizes por termos decidido passar por tudo isso. Foi um momento muito difícil, mas muito feliz.

  • Contacte-nos

    A paternidade pode trazer muitas perguntas, incertezas e preocupações. Não se preocupe. Nosso conhecimento e experiência já ajudaram os casais a esclarecer todos os aspectos dessa questão. Com nossa assistência e orientação, vocês vão facilmente tornar-se um deles – os pais felizes.

  • Entrar em Contato
    Solicitação de Retorno de chamada
    *Campos obrigatórios